ATL - Academia Taubateana de Letras | Patrono - cadeira 04 - Gentil Eugênio de Camargo Leite  


Home / Patronos / Patrono - cadeira 04 - Gentil Eugênio de Camargo Leite

Patrono - cadeira 04 - Gentil Eugênio de Camargo Leite

Patrono - cadeira 04 - Gentil Eugênio de Camargo Leite
Solenidade de Exaltação a Gentil Eugênio de Camargo Leite
Patrono da Cadeira nº 04 da Academia Taubateana de Letras – ATL
Acadêmica Titular da Cadeira: Célia Aparecida Marques da Silva (Celinha)
 
“Fazer de um verso meu, na beleza da rima
e na força do verbo e da imaginação,
a  Arte que a minha alma (...) exprima!”
                 Gentil de Camargo
A primeira ocupante da Cadeira de nº 4, Patrono  Gentil Eugênio de Camargo Leite, foi a Profª Maria Morgado de Abreu, que tomou  posse em 11 de maio de 2000, e nela permaneceu até 2008, ano da sua morte. 
Maria Morgado de Abreu foi uma mulher exemplar. Culta, talentosa e criativa, ela se dedicou ao estudo da história taubateana. Sua obra popularizou um tema restrito aos intelectuais. Escreveu de forma simples, mas rigorosa, artigos e livros em que transpira sua paixão pela cidade e pelo povo. Todos que se lançaram depois dela no estudo de nossa história, tem em sua obra uma referência obrigatória.
Maria Morgado também pesquisou a cultura caipira e o folclore local. Recolheu receitas de pratos típicos, mergulhou no universo cultural do Vale do Paraíba, permitindo a todos saborear seus significados mais íntimos e desvendar segredos escondidos. A distinção que Taubaté desfruta na cultura brasileira deve muito a sua obra. 
Em respeito ao trabalho em prol do patrimônio taubateano, Maria Morgado de Abreu recebeu da Unesco em 1998, o título de “Defensora do Patrimônio da Cultura do Vale Paraíba”, reconhecimento oferecido pela primeira vez na história dessa instituição.
 A primeira dama da historiografia de Taubaté faleceu em 2008.
Com o falecimento da grande historiadora, Profª Maria Morgado de Abreu, em 2008, realizou-se nova eleição para a ocupação da Cadeira de nº 4, do Patrono Gentil Eugênio de Camargo Leite e, desde 5 de junho de 2009, foi assumida por mim,  Célia Aparecida Marques da Silva... Celinha.
Gentil Eugênio de Camargo Leite nasceu em Taubaté/SP a 26 de setembro de 1900, filho de Eugênio de Souza Leite e de Maria Eugênia de Camargo Leite. Foi casado duas vezes: Do primeiro casamento, com Clara,  teve quatro filhos: Léa Gentil de  Camargo Cursino, Gil de Camargo Leite, Gentil Eugênio de Camargo Leite Junior e Eugênio de Camargo Leite. Os dois primeiros já falecidos. 
Do segundo casamento, com D. Iracema Ferreira Camargo Leite, hoje com 82 anos de idade, teve outros quatro filhos: Gil Ferreira de Camargo Leite, Sílvio Ferreira de Camargo Leite, João Ferreira de Camargo Leite e Inês Ferreira de Camargo Leite, todos vivos e alguns aqui presentes. 
 Prof. Gentil Eugênio de Camargo Leite faleceu, em 3 de abril de 1983. Taubateano ilustre, destacou-se em diversificadas atividades culturais, por sua inteligência, determinação e cultura. Gentil  Eugênio de Camargo Leite foi professor, jornalista, folclorista escritor, poeta...
Prof. Gentil de Camargo, como era mais conhecido, foi um dos fundadores do Ginásio do Estado, em Taubaté, hoje Escola Estadual Monteiro Lobato. Ocupou, oficialmente, os seguintes cargos: Professor de História da Civilização do Ginásio do Estado, em Taubaté (então mantido pela Municipalidade), em 1º de julho de 1932; nomeado pelo governo para o mesmo cargo, em 23 de fevereiro de 1934;
Professor de Latim do Ginásio do Estado, em Catanduva, SP, por nomeação de 27 de novembro de 1936; Professor de História da Civilização, do Ginásio do Estado em Taubaté, por nomeação de 21 de março de 1938, tendo assumido a 06 de julho de 1938 e, Professor de Latim do Ginásio do Estado, em Taubaté, por nomeação de 6 de julho de 1938, onde permaneceu até se aposentar.
Outros cargos que ocupou anteriormente: regeu cadeiras de História da Civilização, Literatura,  Latim, Português e Francês no Ginásio Diocesano Santo Antônio (1927-1933). Professor de Português e Califasia da Escola Normal Livre Municipal de Taubaté (em 04 de abril de 1929). Em seguida à reforma das Escolas Normais Livres, passou a lecionar Português, Latim e Sociologia (1934-1935) na citada Escola. Em 1936 foi nomeado Diretor do referido estabelecimento.
HOMENAGEM... E.E. Prof. Gentil de Camargo Estrada Municipal Dr. José Luiz Cembranelli, S/Nº, Parque Três Marias, CEP 12.081-010, Taubaté/SP e Avenida Professor Gentil de Camargo – Jardim Sônia Maria – Três Marias.
Como Jornalista, Prof. Gentil era culto e talentoso, destacou-se pela colaboração em revistas de alto nível, como: “Revista do Brasil” (SP), “Revista do Arquivo Municipal” (SP), “Paulistania” (SP) e jornais da capital paulista, Rio de Janeiro  - “A Razão” e “Jornal do Brasil” e do interior,  principalmente de Taubaté, entre eles, “O Norte”, “Correio de Taubaté”, “O Momento”, sendo ainda um dos fundadores do “Diário de Taubaté”, ocupando também funções de diretor.
Como Jornalista, Prof. Gentil era culto e talentoso, destacou-se pela colaboração em revistas de alto nível, como: “Revista do Brasil” (SP), “Revista do Arquivo Municipal” (SP), “Paulistania” (SP) e jornais da capital paulista, Rio de Janeiro  - “A Razão” e “Jornal do Brasil” e do interior,  principalmente de Taubaté, entre eles, “O Norte”, “Correio de Taubaté”, “O Momento”, sendo ainda um dos fundadores do “Diário de Taubaté”, ocupando também funções de diretor.
Como Folclorista, Gentil foi pesquisador da História e das nossas tradições, dos nossos usos e costumes. Foi um dos fundadores, a quatro de março de 1948, da “Sociedade de História e Folclore de Taubaté”, juntamente com ilustres colegas do antigo Ginásio do Estado, os professores Cesídio Ambrogi, Fábio Moura, José Alves de Almeida Feo, entre outros.
Tão profícua foi a atuação desse grupo de estudiosos, que, Taubaté, cidade antiga com rico acervo de tradições, usos e costumes populares, foi considerada “um dos maiores centros folclóricos do “país”, por deliberação do I Congresso Brasileiro de Folclore, reunido no Rio de Janeiro, em agosto de 1951. Autor de "Sintaxe Caipira", "O Presépio", "A Breganha" e de outros temas de pesquisa folclórica.
Como pioneiro nas pesquisas de caráter científico e divulgação de nossas manifestações folclóricas, Prof. Gentil de Camargo, tornou-se Membro de importantes entidades folclóricas: Associação Brasileira de Folclore; Museu de Artes e Técnicas Populares da Associação Brasileira de Folclore; do Congresso Internacional de Folclore da Comissão Brasileira da UNESCO; Delegado da Sociedade de Etnografia e Folclore do Departamento de Cultura de São Paulo.
Como escritor, Prof. Gentil, em primorosa composição vernácula de peculiar e saboroso estilo, escreveu variada produção literária: editoriais, artigos de sentido político; ensaios, estudos históricos; linguísticos, folclóricos; crítica literária e poesias de grande beleza.
A obra literária de Gentil de Camargo, esparsa em jornais e revista, foi publicada na série “Taubateana”, Vol. 8, 1980, sob a denominação de “Poesia e Prosa”. Essa publicação foi realizada pela Prefeitura Municipal de Taubaté, sob orientação do historiador Paulo Camilher Florençano em merecida homenagem ao ilustre mestre taubateano.
 
Capa do livro “Poesia e Prosa” – Vol. 8, 1980, da série ‘Taubateana”
 
 
 
Destacamos, Poesia do pai, no Dia dos Pais...  
Vocês                        
                                                                   
É ele sim: conheço o seu passinho;
E o suave cheiro que ele tem, conheço;
Mas fecho os olhos, finjo que adormeço:
Quero sentir melhor o seu carinho.
 
O livro em que da vida inglória esqueço,
Retira-me das mãos, tão de mansinho.
 “Papai…” me chama; e dá-me o seu beijinho;
– Compensação de tudo o que padeço –. 
Depois se afasta.  Deixa-me pensando
Em quando ele for grande, e mesmo quando
Todos forem crescidos de uma vez,
Continuarei a vê-los bem pequenos,
Buscando até, em coisas de somenos,
A maior alegria de vocês. 
                                           (Gentil Camargo)
 
Poesia “Confiteor – VII” (manuscrita no livro “Poesia e Prosa”
 
 
De sua parceria com o talentoso músico taubateano Fêgo Camargo, surgiram as composições “Taubaté tem visgo”, sucesso no carnaval taubateano de  1927, “Pinhão Cozido” (inspirada em pregão de rua), “Hino a Santa Terezinha”, composto em homenagem à sua canonização em 1925, portanto, há 90 anos, e muitas mais. 
Seus estudos de caráter linguístico receberam elogiosos pareceres dos grandes mestres Antenor Nascentes e Arthur Reggio Nóbrega. Seu nome é citado em importantes obras: “Dicionário Bibliográfico Brasileiro” do MEC; “Dicionário de Autores Paulistas”; “Bibliografia do Folclore Brasileiro”; “Poetas Paulistas” de Pedro Worms.
“Como é que um sujeito do valor do Gentil, do enorme valor do Gentil – fica aí ignorado nesse cantinho do mundo, a ver de longe a ascensão, a vitória de mil valores duvidosos ou de valores reais, mas muito inferiores a ele”? (In “Poesia e Prosa” – Gentil de Camargo, “Taubateana nº 8, p. 108  e 109)”. 
Ao proferir palestra sobre o “Cinquentenário dos Sertões”, de Euclides da Cunha, em sessão do Rotary Club no Taubaté Country Club a 15/09/1952, o professor Gentil apresentou a ideia de se instituir em nossa cidade, a “Semana de Monteiro Lobato”, sob os auspícios do Rotary Club e do Jornal “A Tribuna”, sendo muito aplaudido pelos presentes. (A Tribuna, 16/09/1952). 
O nome de Gentil de Camargo está vinculado à memória de Lobato não só por essa importante apreciação, mas também porque foram amigos e, ainda, pela criação da “Semana Monteiro Lobato”. 
Por tantos méritos e por sua simpatia, Prof. Gentil Eugênio de Camargo Leite, granjeou a admiração e o respeito de seus contemporâneos e da posteridade.
A Academia Taubateana de Letras, nesta oportunidade, por mim representada, por ocupar a Cadeira de nº 4, pertencente a Gentil de Camargo, tem a maior honra de exaltá-lo nesta magna Sessão Solene, de modo a torná-lo mais conhecido e amado! Obrigada! 
 
Fontes pesquisadas:
. Gentil de Camargo “Poesia e Prosa - série “Taubateana”, Vol. 8, 1980
. Almanaque Urupês
. Contribuição à História de Taubaté, de Humberto Passarelli
. Anais da ATL por Maria Morgado de Abreu
. Informações fornecidas por Gil Ferreira de Camargo Leite, filho do Prof. Gentil