Patrono: Gastão Schmidt.

Maestro (pianista e compositor), folclorista, escritor, poeta, pesquisador, pedagogo e advogado, nasceu em Taubaté em 9 de junho de 1933, onde iniciou seus estudos em humanidades e música. Transferindo-se para São Paulo-capital, diplomou-se nos cursos superiores, pelos Conservatórios Dramático e Musical e Paulista de Canto Orfeônico (1951/1953), Escola Superior de Música “Santa Marcelina”: Educação Musical e Educação Artística (1972/1974), Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras “Prof. Carlos Pasquale” em Pedagogia (1980) e em Bragança Paulista/SP bacharelou-se em Direito, pela Universidade São Francisco (1973). Frequentou diversos cursos, no país e no exterior, sob orientação de consagrados maestros-compositores de fama internacional. São incontáveis os recitais realizados em teatros, emissoras de rádio e de televisão e em entidades artísticas e jornalísticas, no Brasil e pelo mundo afora. Visitou diversas vezes mais de quarenta países. Compôs mais de 400 obras para piano, canto e piano, recitativo, coral, conjuntos instrumentais, música de câmara, ballet e orquestra, sendo que quase uma centena, impressas pelas mais conceituadas editoras do país. Lecionou em diversos estabelecimentos de ensino musical em São Paulo/Capital e no interior do Estado. É professor aposentado da rede estadual de ensino. Um dos fundadores da Escola de Música e Artes Plásticas de Taubaté/SP, hoje  Escola de Artes Maestro Fêgo Camargo, e da extinta Faculdade de Música e Educação Artística “Marcelo Tupinambá” de São Paulo/Capital. Foi presidente e idealizador da Associação Brasileira de Jovens Compositores (de 1951 a  1959) Membro e um dos fundadores da Sociedade Brasileira Contemporânea.  Foi Membro Titular da Academia Taubateana de Letras, passando para Membro Honorário, devido a problemas de saúde. Publicou inúmeras crônicas sobre música, folclore, história e sobre sua trajetória artística em Taubaté/SP, em jornais, monografias, documentários e livros. Recebeu várias medalhas, troféus e placas de prata sobre suas atividades artísticas, destacando-se a Medalha Sílvio Romero  pela então Prefeitura do Distrito Federal ( Rio de Janeiro) em 1958,  e outras pela municipalidade de  Taubaté/SP Em 2003, recebeu da Câmara Municipal de Taubaté a “Comenda Jacques Félix”.

Estamos muito felizes e gratos com a inauguração do Museu Yves Rudner Schmidt. Quando veio de SP contabilizava 386 pianos, em miniaturas, de todos os países do mundo, incluindo o Brasil, das mais variadas formas: caixinhas de música, apontadores de lápis, porta-joias, etc., e dos mais variados materiais: porcelana, jade, prata, plástico, cristal,  louça, etc., ao lado, de retratos, livros e composições musicais feitas pelo Maestro, ao longo de sua carreira artística.

Yves é o único Maestro da cidade, com projeção internacional. Possui mais de 20 livros publicados. São motivos históricos, musicais e biográficos, além de textos jornalísticos.

Yves Rudner Schmidt é um taubateano nato que procurou sempre perpetuar a memória de Taubaté, utilizando-se dos mais  variados recursos: música, literatura, museu. É, sem dúvida, um ser abençoado por Deus. A Academia Taubateana de Letras, sente-se honrada por tê-lo entre os seus insignes Acadêmicos!

Nós, Acadêmicos da ATL, familiares e a comunidade taubateana  deixamos aqui o   nossos sinceros encômios ao Sr. José Roberto dos Santos, Presidente da Irmandade de Misericórdia de Taubaté e à nossa ilustre   Acadêmica, Ana Maria Favali de Camargo, pela brilhante iniciativa, com intuito de preservar  e legar às gerações futuras todo o acervo do nosso querido Maestro. Um exemplo a ser seguido pelos nossos políticos e autoridades educacionais da cidade. Parabéns, que outras pessoas se espelhem em seus exemplos!